Grupo de Trabalho Especial desmantela esquema intergeracional de conspiração

A força-tarefa denominada grupo de trabalho especial “operação lactose”, que reuniu membros do ministério público, polícia federal, ministério da agricultura e polícia civil mineira, executou hoje pela madrugada 42 mandados de busca e apreensão, prisão preventiva e condução coercitiva, expedidos pela justiça mineira pedido desta equipe.

Os mandados visam garantir a confirmação e produção de provas de uma investigação inusitada que vem sendo realizada há mais de 24 anos pela referida força-tarefa, cujo objeto de investigação eram suspeitas da existência de um esquema sofisticadíssimo de conspiração contra a economia de Minas Gerais para favorecer o comando do país nas mãos dos paulistas e seus aliados.

Segundo o delegado que preside o inquérito, o esquema baseia-se na produção e divulgação de pesquisas supostamente científicas e propagandas, que teriam disseminado a ideologia da intolerância à lactose para diminuir o consumo de leite e derivados, carro chefe da economia mineira desde os tempos do império.

Suspeita-se ainda, que o esquema vinha ocorrendo desde a primeira república, quando políticos paulistas se juntaram com políticos gaúchos e cariocas para diminuir o crescente poder político mineiro. Desde então, acredita-se que essa influência foi determinante para a eleição de todos os presidentes do país a partir de 1955, tendo sido Itamar Franco considerado membro da dissidência carioca em Juiz de Fora, que tinha como objetivo retomar para a cidade a condição de capital mineira.

Embora a operação tenha sido uma das maiores desde a “Lava-jato”, que descobriu sistemas de propinas ligados a obras de governos e empresas públicas e privadas brasileiras, a investigação atual corre em absoluto sigilo e não foi possível identificar os alvos dos mandados expedidos e executados. Fontes indicam que nessa fase, apenas foram atingidos alvos em posições intermediárias da quadrilha e nenhum nome foi divulgado para não prejudicar o andamento da “operação lactose”.

Até o fechamento desta edição, nenhum advogado das instituições envolvidas se manifestou para além da negativa sobre as acusações.

Fonte: Agência Groselhan’s News

Comente com seu perfil do Facebook